Libriando Librianamente

Libriando Librianamente

Tempo desconexo frio sem sentido. Vejo discursos sem nexo acalorados com sentido. A balança pende geminianamente junto aos piscianos. Mas, que sentido faz Sem nexo, com nexo, desconexo com sexo? É só pensar levianamente despudoradamente que chega a ter algum sentido....
No Palácio…

No Palácio…

Era interessante observar minha Rainha acompanhando os passos do peregrino através dos olhos do Corvo ou do Falcão. Confesso que me arrepiou perceber o quanto ela se deleitou, ao sentir nas pontas dos dedos o sangue do viajante. Mas pude observar o leve desespero que...
Penas Manchadas de Sangue – Parte III

Penas Manchadas de Sangue – Parte III

Sentado ao pináculo me pego observando aqueles corpos a bailar em seus urros de guerra, em seus sorrisos e no prazer de dilacerar os corpos de seus inimigos. O Palácio tão iluminado, estava mais uma vez vivo. Mostrava-se forte perante sombras que não aceitam essa...
Fada dos Dentes – Parte VII

Fada dos Dentes – Parte VII

O silêncio reinava naquele vilarejo. As crianças não sorriam como antes e os adultos mantinham-se sombrios em suas almas e corações. Algumas flores eram deixadas em um túmulo, cercado por pequenos potes de barros. Mas muitos não ousavam encarar o nome escrito na cruz...
No Palácio…

Os Portões

O Cavaleiro não sabia mais porque tanto sangue lhe era arrancado, mas mantinha suas esperanças de encontrar a resistência ao invés da desistência. Sentia pena do nobre que tentava com todos seus argumentos provar que era merecedor de tanta atenção, mas não era por...