Floresta de Espinhos

Floresta de Espinhos

Minhas folhas já se encontravam negras, quando senti suspirares moverem minhas folhas. Cheguei a pensar que nada mais era do que a minha vontade de viver, de mostrar que eu não era mais um Tyr Quentalë. Mas quando senti aquele suspirar e depois percebi o olhar de...
Floresta de Espinhos

O Fechar de um Livro

Estremece a terra de uma forma assustadora. Os ventos gélidos rasgam os prados verdejantes batendo à porta do Castelo, arrombando-as sem dó. Sombras lançavam suas garras, avançando aquele espaço e ao trono a Rainha estava com seus olhos baixos. O Rei caído ao chão,...
Floresta de Espinhos

Cruel realidade…

O vento frio tenta intimidar os prados verdejantes, mas em meio ao calor de batalhas acirradas, posso vislumbrar dois corpos ofegantes. Suas armas parecem firmes em suas mãos e o sangue, ora úmido e quente, ora coagulado e frio, desenha em vossos corpos escritos...
Floresta de Espinhos

Quando a Flecha atinge o Coração

Os dedos viravam as páginas, que se mantinham amareladas até então. Não só minhas páginas eram viradas, como a capa de um livro mais antigo era observada. Sabia o quanto o dia de hoje a deixava apreensiva. Os passos de minha Rainha estavam apressados, a respiração...
Floresta de Espinhos

Do começo… Das caçadas e teimosias

Eis que meu querido Rei, mais uma vez traz o bestiário ao colo de minha Rainha e às vezes as trocas de olhares atiçam-me as páginas. Ah! Perigosos tomos que agitam minhas folhas. Penso às vezes se isso seria um desafio ou apenas o desejo de tentar-me. Então curvo...
Floresta de Espinhos

Mea culpa, mea maxima culpa

Os ventos confusos rodopiam ao meu redor, acariciando-me com dedos gélidos e hálito cálido. Buscam em minhas páginas o brilho de um rei apaixonado, clamam pelas lágrimas à face de uma rainha. Vagueiam perdidos pelos prados verdejantes, cegos, confusos, desejosos de...